terça-feira, 20 de novembro de 2018

34 semanas

Ontem completamos 34 semanas e foi dia de consulta. Pela primeira vez achava eu que não estava muito nervosa para a consulta... a bebé tem mexido bem logo acalmado o meu coração.

Mas bem, vamos fazer a eco e está tudo bem com a Ali! Pesa +/- 2,500kg com uma margem de erro de 300g, líquido bom, placenta boa, até parece que nos acenou com a mãozinha com 4D. Tudo muito bem. Começamos a falar do parto, está previsto para dia 19/12, e embora seja cesariana a Dra. achou que estava na altura de fazer a prova de stroptococos. Para quem não sabe do que se trata é tipo um papanicolau vaginal e rectal. Lá tive eu que mudar de cadeira, para aquela marquesa ginecológica terrível mas que eu conheço tão bem... devo ter ficado logo em pânico porque a Dra. disse logo “a Catarina não dava para parto norma pois não?!” Lá fez o exame, que não custou absolutamente nada mas enfim...

Estava tudo muito bem. As análises do terceiro trimestre estavam ótimas, sem proteína na urina, o combur que fiz na clínica também estava bem. Vamos medir as tensões... e aí tudo muda! 170/110! O pânico total... a médica mandou-me logo deitar, mudou de aparelho, começou logo a traçar os cenários possíveis. E eu a ficar cada vez mais em pânico... o meu pânico da pré-eclampsia. Com 34 semanas o bebé já é prefeitamente viável, 90% nasce sem qualquer sequela, mas quando estamos perante este cenário com o nosso bebé, não é de todo o que desejamos... mas bom, deitada as tensões baixavam o que era um sinal. O meu marido lá manteve a sua racionalidade e sugeriu não tomarmos nenhuma decisão na hora... em casa iríamos medir com calma os 2 e depois falamavamos com a médica. Claro que sai de lá em pânico... só imaginava a minha bebé numa incubadora dias infinitos. Lá fomos nós comprar a máquina de medir as tensões e fomos para casa... na viagem para casa eu comecei a racionalizar... já estamos com 34 semanas. Não são propriamente 29 ou 30. A bebé está bem. Se tiver que nascer agora apenas nos altera os planos e teremos que ser fortes para o que aí vem. Obviamente que terá que nascer num hospital público. 

Para já tudo não passou de um susto. Mal chegamos a casa medimos as tensões, e estavam boas!!! 138/88 sentada e 128/77 deitada. Rigorosamente nada a ver com os valores obtidos na clínica. Hoje de manhã ainda estavam mais baixas. Vamos medi-las todos os dias agora é vamos indo e vamos vendo. Tenho consulta novamente já na próxima semana e eventualmente irei fazer umas análises mais detalhadas para despistar a terrível pré-eclampsia. Mas já serão 35 semanas... cada dia que passa mais a bebé se fortalece, menor o risco na permaturidade. Se conseguirmos chegar às 37 ou às 38 será perfeito. Agora é um dia de cada vez...

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

32 semanas

Na segunda feira, dia em que completamos as 32 semanas, foi dia de consulta. Graças a Deus está tudo bem com a Ali. Pesa 1,900kg e penso que está +/- no percentil 50. A médica não disse ao certo, mas se diz que está tudo bem isso é que é importante. O líquido e a placenta estão boas e o colo do útero encortou pouquinho nestas 3 semanas. Penso que agora está com 31mm e completamente fechado. Desta vez a Dra. não me pareceu preocupada como na última consulta. Parece que a vida mais calma que tenho levado tem ajudado neste processo. Ainda bem!! Também não poderia ser de outra forma... sinto mesmo necessidade de estar descansada no meu canto. Este fim de semana fomos passá-lo fora, aproveitar para namorar o máximo possível, no domingo tive um almoço de família e depois um lanche/ jantar de um primo e no domingo à noite estava de rastos. Já sei o que são as dores nas costas... não me estou a queixar, apenas a constatar que no final da gravidez temos mesmo que ter algum descanso. 

Na verdade está tudo a correr tão bem que nem parece a minha história. É uma autêntica novidade para mim. Agora tenho consulta no dia 19, às 34 semanas. Ainda bem que são só duas semanas sem saber da minha boneca! E não sei se nessa consulta já irei fazer o exame das cintas ou eco qualquer coisa fetal mais concretamente. Até lá tenho que fazer as análises ao sangue e à urina do 3.º trimestre. 

A gravidez é uma maratona. Na primeira gravidez não fazemos a menor ideia do que contar. É tudo novo. A minha tem sido muito pacífica, o segundo trimestre então foi maravilhoso, o terceiro está a ser mais complicado a nível físico, mas maravilhoso na mesma pois a bebé é muito mais ativa. Faltam 6 semanas para a Ali nascer e confesso que começo a pensar no parto. Não com medo... mas com expectativa. Se tudo correr bem no dia 19/12 vou entrar na maternidade grávida e passados uns dias, sair com uma bebé nos braços que irá ser o centro do meu, do nosso mundo. A vida como a conhecemos até aqui nunca mais será a mesma. Não tenho dúvida que será melhor, mas mais desafiante também será com certeza.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Nós por cá

Já há muito tempo que não escrevo nada por aqui porque, felizmente, não há nada de relevante a escrever. 

Poderia começar a fazer uma série de queixumes deste terceiro trimestre de gravidez, mas não tenho esse direito. Nem essa vontade. Não é maravilhoso acordar de noite com dores nas mãos e mal as conseguir dobrar durante algum tempo de inchadas que estão. Os pés então é uma aventura calçar o que quer que seja. (Lá estou eu a queixar-me!!) E ainda só vamos na 31ª semana... se correr tudo bem faltam exactamente 7 semanas para a Ali nascer. Que ansiedade e que emoção!

Optei por fazer o Curso de Preparação para a Parentalidade que uma amiga está a fazer num Centro de Saúde aqui perto de casa. Mesmo não estando inscrita nesse CS, nem tão pouco estar a acompanhar a gravidez em nenhum CS, posso fazer o curso e a novidade para mim que estou habituada a pagar tudo a preço de ouro, é que é gratuito. Mesmo sendo uma preparação para a parentalidade muito desse curso é virado para o parto normal, que não é tema que me cative. Aliás só serviu para reforçar a minha vontade de não querer passar por um trabalho de parto. A parte da amamentação, que lá são 200% a favor, ainda não cheguei a essas aulas, mas são as que me deixam mais na expectativa. Se não quiserem um parto normal nem amamentar não percam tempo com estes cursos. A mim só me interessa mesmo pela amamentação que não sendo fundamentalista, gostaria de viver essa experiência. 

A mobília do quarto da Ali chega para a semana, e depois é só começar a lavar a roupa toda que já tem e fazer a mala. Agora compreendo a ciência que é fazer as malas da maternidade. A da Ali e a minha. A verdade é que para mim tive que comprar imensa coisa, como camisas de dormir e pijamas de botões que não tinha nada disso. Para a bebé então... é toda uma ciência. Fazia-me imensa confusão (ainda faz na verdade) que tamanho comprar para os primeiros dias. Em algumas lojas o tamanho 0 é menor de 50cm, o que é bom se ela for pequenina. Embora toda a gente diga que não usam esse tamanho muito tempo. Mas tem que ter alguma coisa imagino eu.... o tamanho de 50cm pode ser grande e depois a miúda fica a boiar lá dentro. Lá foram uns bons euros para uma dou duas semanas mas lá terá que ser. 

Na verdade até ficar de baixa não tinha noção de tudo que precisava de tratar para a chegada da Ali e também não tinha noção como estava a ficar cansada. Acho que as contracções indolores abrandaram, embora ainda me atormentem. Confesso, com alguma vergonha até, que ainda tenho imenso medo que alguma coisa corra mal. Nas últimas semanas os movimentos da bebé são muito mais frequentes, o que é maravilhoso, a melhor parte de estar grávida, mas também o meu maior motivo de preocupação. Acho que consigo estabelecer uma rotina de movimentos, mas quando não os sinto, fico em pânico. É muito difícil este medo constante. Estou muito ansiosa que a Ali esteja cá fora e tenho um medo enorme que algo corra mal até ao nascimento, que me vejo a desejar que mal seja possível a médica a faça nascer. Prefiro tê-la cá fora. 

Na próxima semana, dia 5, tenho consulta e já irei saber como está a minha bebé. Agora que se aproxima a reta final é uma grande emoção. Torçam por nós, e para que esteja tudo bem e a Ali nasça no dia 19 de dezembro como está previsto, forte e saudável! É só isso que me interessa... que a minha bebé nasça bem e que seja muito feliz. 

terça-feira, 16 de outubro de 2018

29 semanas

Ontem foi dia de consulta... finalmente!!

Com a Ali está tudo bem. Está uma crescida, já pesa 1525kg e já está posicionada para nascer, de cabeça para baixo. É tão engraçado de vê-la em 3D. Ainda não foi desta que conseguimos uma foto em condições porque ela tinha as mãos e os pés na cabeça. São realmente elásticos. As minhas tensões voltaram as estar boas e sem sinal de infecção urinária... ufa. 

A partir de amanhã estou oficialmente de baixa até ao parto. Serão 7 meses, se a Alice nascer quando é previsto, afastada do trabalho. Na realidade não tive opção, vou ter mesmo que abrandar porque o meu colo do útero já não está famoso. Há 4 semanas media 4 cm, ontem media 3,38cm. Baixou bastante... embora a médica disser que não é preocupante para já, só abaixo de 2,5cm é que teria que fazer medicação e repouso absoluto (ou praticamente), acho que não ficou muito agradada com a situação. E eu por muito que não me queira preocupar, preocupo-me sempre. A partir de amanhã nova vida para mim... ainda bem que tenho os meus patudos porque caso contrário iria passar-me em casa sozinha. Obviamente que vou ter que sair, até porque ainda falta preparar imensa coisa para a bebé. 

Consulta agora só daqui a 3 semanas. Sempre é melhor que 4. Vou ver se me inscrevo num curso daqueles que preparação para a maternidade. Acho que só me faria bem aprender umas coisas, embora aquela parte da preparação para o parto normal não me interessar.

Há um ano atrás estava completamente destruída por dentro. Ainda estava a recuperar do aborto e a lidar com quistos foliculares mais uma vez. Estava desacreditada e sem esperança. O meu alento era a viagem ao Dubai que fizemos no início de novembro que me retemperou energias. A tec seguinte que fiz correu pessimamente com spottings praticamente desde o início e com a confirmação do insucesso bem perto do natal. Ainda foi preciso mais uma negativa em fevereiro até ter o meu milagre em abril. Se a minha história poder ajudar alguém que trava esta batalha pela PMA, é a minha maior alegria. Por muito destruídas que nos sintamos, não podemos desistir. Mesmo quando a esperança nos abandona, se poderem, continuem a lutar pelo vosso sonho. Por vezes a vida surpreende-nos e retribui-nos todo o sofrimento pelo que passamos. 

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

28 semanas

É incrível como já vamos nas 28 semanas e oficialmente no 3º trimestre e no 7º mês. Dependendo da fonte o 3º trimestre começa ás 26, 27 ou 28. Não sei qual estará certa, mas penso que já posso dizer que estamos no 3º trimestre. 

Pela minha experiência até agora, posso dizer que esta entrada no 3º trimestre está a mostrar-me os verdadeiros incómodos da gravidez. A energia que me foi devolvida no 2º trimestre já era e agora o cansaço voltou a apoderar-se de mim. A minha barriga embora não seja enorme, já pesa, já preciso de pensar duas ou três vezes em como vou fazer para levantar-me se estiver deitada. O inchaço também já começa a acompanhar-me, principalmente se estiver calor ou tiver um dia mais cansativo. Cozinhar é uma experiência diferente agora vivida mais distante do fogão, e apertar umas sapatilhas nem sempre é fácil. É possível... mas mais difícil. 

Tirando isto, que verdadeiramente não é nada de especial, por cá vamos continuando à espera ansiosamente da próxima segunda feira para saber se está tudo bem com a Ali. Continuo com tanto medo que algo não esteja bem.... felizmente desde a semana passada sinto mais os movimentos da bebé, mas mesmo assim não sinto tanto como gostaria. E depois lê-se tanta coisa.... só quero saber se está tudo bem! Em princípio de hoje a uma semana ficarei de baixa... as contracões estão estáveis, mas sempre presentes. Penso que não será alarmante, mas vamos ver o que a médica diz. Por um lado sei que vai ser difícil para mim parar de trabalhar, a nível psicológico, mas sinto que o meu corpo está a precisar e que assim será um final de gravidez mais tranquilo. 

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

3

Resultado de imagem para 33

Hoje é o meu aniversário. 33 já cá cantam. 

Fazer anos sempre teve um significado agridoce para mim. Se por um lado devo festejar a vida, a minha vida, tudo de bom que tenho na vida, ainda por cima este ano que tenho tanto. Mas por outro lado entristece-me por motivos muito meus. 

Mas este ano é sem dúvida especial. É marcado pelo número 3. E em breve seremos 3 lá em casa. Seremos 5 com os dois cachorros que para nós fazem parte da família, mas seremos 3 humanos. E eu ainda tenho tanta dificuldade em acreditar que está mesmo a acontecer.... ainda tenho tanto medo que não consigamos acrescentar o 3º elemento tão desejado à nossa família. Só vou acreditar que está mesmo a acontecer quando tiver a Ali nos meus braços.  

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Nem sei se ria nem sei se chore


Estava a folhear esta revista, já com algum tempo, e vejo esta publicação sobre a gravidez da Inês Herédia. Não sei se se consegue ver o conteúdo da notícia na foto, mas basicamente noticiam que a actriz recorreu a inseminação artificial para ficar grávida dos gémeos, mas depois explicam o procedimento de uma FIV. Ou seja, quem escreveu esta publicação não faz a menor ideia do que está a escrever. O que é uma vergonha e que me leva a concluir a desinformação que existe para a maioria dos mortais em relação às técnicas de PMA. Nem a/o jornalista encarregue de escrever tal conteúdo se deu ao trabalho de procurar informação sobre o tema. Talvez se devesse falar mais, e mais abertamente (shame on me que escrevo com uma identidade anónima) sobre o tema, para que quem está nesta luta não se sinta tão anormal por ter que recorrer à ciência para conseguir o que para, a maioria das pessoas, e ainda bem!, é um processo tão natural como beber uma garrafa de água.