quarta-feira, 17 de abril de 2019

1 ano

Faz hoje 1 ano em que a Ali, o embrião da Ali, foi transferido. Faz hoje 1 ano que fazemos parte da vida uma da outra. É um dia de grande emoção. Neste ano conheci sentimentos e sensações muito boas. Os tratamentos de PMA mudaram a pessoa que eu era, mas a maternidade mudou ainda mais. Hoje conheço a emoção numa forma muito pura e intensa. Só um filho nos permite esses sentimentos. Sou uma pessoa muito mais feliz e em paz com muitos aspetos da minha vida.

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Encerrar um ciclo

Ontem foi encerrado um ciclo da minha vida. Aproveitando uma ida à Lisboa por outro motivo, fomos  ao IVI com a Ali. Se precisávamos de fazer isso? Obviamente que não... mas queríamos, orgulhosamente, apresentá-la à Dra. C. Foi graças a ela que a temos e para nós fazia sentido que a conhecesse. Senti-me muito bem, não i vou negar. Foram muitas emoções, muitas delas dolorosas, vividas naquela sala de espera. Mas ontem fiz as pazes com mais partes de mim. Está tudo bem. Tenho a minha bebé, que é tudo para mim é que me trouxe uma felicidade inexplicável.

Já se passou praticamente 1 ano desde que estivemos lá pela última vez. A tec foi dia 17/4 e depois só voltamos lá para a 1.ª ecografia, a 2.ª fizemo-la no IVI de Vigo. Está tudo tão igual e tão presente na minha memória que chega a ser perturbador. Não consigo deixar de pensar nos 2 embriões que nos restam e no que iremos fazer com eles. Neste momento nem  sei como está a lei do anonimato dos dadores, a tec da Ali foi uns dias antes da alteração (mesmo a tempo de mais uma dor de cabeça). Mas agora isso não interessa nada. Interessa aproveitar o nosso bebé milagre.

segunda-feira, 18 de março de 2019

Nós por cá

Continuamos a viver na nossa bolha de felicidade.

É incrível, como conscientemente, só agora que tenho a minha bebé percebo como precisava dela na minha vida. É um amor quase absurdo que sinto por ela. Deve ser assim que todos os pais sentem os seus filhos.

Conforme prometi, vou partilhar um pouco da minha experiência de ter um filho em que o código genético não é meu. Como sabem as pessoas estão sempre há procura de semelhanças nos bebés. Como isso para mim nunca teve importância nenhuma, nem sabia que era assim. E a verdade é que a minha filha não tem rigorosamente nada meu. Como haveria de ter não é verdade? É parecida com o meu marido é verdade. Mas certamente também terá semelhanças com a dadora. Toda a gente diz que é a cara do pai porque não lhe vêm nada meu. Como eu me sinto com isso? Muito feliz por ser parecida com o meu marido. Os meus dois amores. Não me causa confusão nenhuma os comentarios. Obviamente que tenho curiosidade de conhecer as feições da dadora. Mas fica por aí mesmo. Curiosidade. A grande maioria do tempo não me lembro da particularidade como a minha bebé foi gerada. Mas ela existe e obviamente que tenho algum receio da sua reação quando souber, se é que vai saber, da forma especial como foi gerada. Mas não vivo preocupada com isso. Como tudo na vida, a seu tempo tentaremos gerir essa situação da melhor maneira possível. Até lá, espero criar e educar a minha filha de forma a preparar-lá para esse dia. Amor nunca lhe irá faltar. A Ali veio trazer muita alegria e esperança a todos que a rodeiam. Mal a vi tive a certeza que está bebé estava destinada para mim. Não era mais nenhuma. Era está. O meu bebé milagre.

Embora tenha vindo pouco ao blogue vou acompanhando as lutas de quem acompanha a minha. Sempre que acho que a minha história pode ajudar assim como trazer esperança a alguém, comento no fórum de mãe para mãe pois sinto cada dor como se fosse a minha. Jamais se esquece estas dores. Mas a felicidade de ter um bebé é igual à de quem não passa por nada disto. Ainda existem 2 embriões na IVI, daqui a algum tempo temos que decidir o que fazer com eles. Não sei se terei coragem para os transferir, para voltar àqueles locais sombrios da infertilidade. Logo se verá. Para já a Ali completa completamente o bocado que me faltava.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Nós por cá

Vamos vivendo a maior felicidade a saborear cada dia da nossa Ali. Cada conquista nova dela, cada noite mal dormida... tudo é um doce. Tão normal... tão igual a toda a gente que não estou habituada a esta facilidade na vida. Não estou com isto a dizer que tudo é fácil na maternidade. Não é. A amamentação foi muito difícil, não desisti (ainda não sei bem porquê), continuo a amamentar, mas já sofri muito com isso. A relação com o meu marido inevitavelmente mudou. E custou-me perceber que já não sou o centro do mundo dele. Egoísmo? Sem duvida. Adoro o amor e a relação que tem com a Ali, mas senti falta dele no pós-parto. As duas primeiras semanas não foram fáceis fisicamente. Mas tudo isso já passou. E passava por tudo novamente para ter a minha bebé. 

O tempo não tem sido muito por cá, mas prometo um post sobre como é olhar para um filho que não tem o nosso DNA, sei que têm curiosidade sobre isso, e sobre a minha experiência com a amamentação que é só mais uma, e é a minha com a minha bebé, cada mãe e cada bebé é que sabem o que é melhor para si. 

Beijinhos queridas e para quem ainda continua na luta, estão sempre no meu coração e torço muito para que conheçam a doçura da maternidade 

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Post em atraso

Ando para fazer este post há imenso tempo, inclusive cheguei a começar a escrever um no dia 12, quando a minha Ali fez 1 mês, mas a vida tem sido tão absorvente que não tem sido fácil. 

Já se passou mais de 1 mês desde que a minha princesa nasceu e parece inacreditável! O tempo está a voar. Na semana passada o meu marido voltou ao trabalho e começou a minha aventura a solo. Estava  com tanto medo de não dar conta do recado... e eu sempre fui uma pessoa confiante, mas tratar de um filho é a missão mais importante que temos na vida. Para já acho que está a correr bastante bem. Até já fui sozinha com ela ao centro de saúde apanhar uma vacina e tudo! Juntas somos mais fortes. 

A Ali já não é a bebé que só quer dormir que era na primeira semana, e penso que é normal. Neste momento já começa a fixar o olhar em algumas coisas e na nossa cara. É uma ternura... Infelizmente os desconfortos intestinais, penso que não são as temíveis cólicas ainda, já a começam a chatear. Praticamente só chora para mudar a fralda, detesta a diferença de temperatura, e quando acorda cheia de fome. É que fome ela tem! Está a ficar gordinha a minha princesa, e eu adoro ve-la assim. Quando viemos embora da maternidade já tinha perdido os 10% de peso que é normal os recém-nascidos perderem, e por isso tivemos que ter bastante cuidado com a alimentação, mas rapidamente os recuperou e agora já deve estar perto dos 4Kg. Segunda feira vai ao pediatra e já saberemos. 

Queria partilhar convosco a aventura da amamentação, mas é um termo tão complexo que acho que dá um post só sobre esse tema...

É por aqui vamos vivendo, apaixonados por esta bebé que veio revolucionar a nossa vida. A vida tal como eu a conhecia já não existe. Não vou dizer que por vezes não tenho saudades de simplesmente sair e fazer o que quiser, mas ganhei tantas, mas tantas coisas em compensação. Também tenho saudades de dormir mais de 2h seguidas mas isso... isso é compensado por aquele cheirinho docinho e por aquele sorriso involuntário que me aquece o coração.